No ano em que se completa 50 anos do golpe militar no Brasil, a Kiwi Companhia de Teatro volta à cena com Morro Como Um País, montagem que estreou em março de 2013, com direção de Fernando Kinas. A reestreia acontece no dia 26 de março, quarta-feira, no CIT-Ecum (Centro Internacional de Teatro), às 21 horas, com interpretação de Fernanda Azevedo, indicada ao Prêmio Shell de Melhor Atriz por esse trabalho.

Na noite de reestreia, após a apresentação, haverá performance musical com o Cordão da Mentira. O grupo apresenta quatro números, aquecendo os instrumentos para o Grande Desfile / Escracho, do 1º de abril de 2014, cujo tema é “Quando vai acabar a ditadura civil-militar”. O lema do grupo é batucar contra a militarização, o genocídio e o ufanismo.

Morro Como Um País dá continuidade ao trabalho de pesquisa da Kiwi, desenvolvido com foco na reflexão política, social e estética. O espetáculo não segue um padrão tradicional de encenação; não há uma história com princípio, meio e fim. A referência para a encenação é o texto literário Morro Como Um País, escrito em 1978 por Dimitris Dimitriadis (nascido em 1944), um relato poético de como o povo grego viveu a “ditadura dos coronéis” (1967/1974).

A peça coloca em foco a discussão sobre o “estado de exceção permanente”, definido pela suspensão de direitos, mesmo em períodos de aparente “normalidade democrática”. São situações em que a ilegalidade toma a aparência de legalidade. Também apresenta momentos históricos de especial tensão entre o desejo de transformação e de justiça social e a violência praticada pelo Estado.

A concepção de Fernando Kinas articula mais de 30 tableaux (cenas independentes) articulados de forma a provocar a reflexão e compreensão do espectador. A encenação delineia quadros como em um jogo onde todos os presentes estão inseridos, incluindo uma referência às brincadeiras coletivas infantis. O jogo cênico propõe reunir prazer e reflexão sobre a história do país.

Com a intenção de inquietar o espectador, o trabalho se inspira e utiliza recursos do teatro documentário e da matriz brechtiana, inspirando-se ainda na obra do diretor russo Meierhold. O material retirado da realidade e usado em cena é formado por relatos, matérias jornalísticas, depoimentos, imagens, canções, brincadeiras, poemas, trechos de romances e letras de músicas.

Segundo o diretor, “não há carga emocional pela reconstrução psicológica, a contundência se dá mais pela informação narrativa do que pelos recursos dramáticos convencionais”. A atriz Fernanda Azevedo completa dizendo que “não temos as respostas para tudo, mas tentamos fazer as perguntas certas”.

A música é usada com função dramatúrgica, a exemplo da música cigana (povo historicamente perseguido), dos clássicos de exaltação nacionalista durante a ditadura (Eu te amo meu Brasil) e das músicas de protesto. A companhia trabalha com alguns conceitos na montagem, entre eles, o de cânone, figura musical que supõe um padrão de repetição (há um relógio em cena com mostrador e mecanismo invertidos) e desmontagem das personagens clássicas em favor do depoimento e da exposição de contradições, tanto na forma como no conteúdo do que é exposto cenicamente. A iluminação de Heloísa Passos (cineasta e diretora de fotografia em curtas e longas-metragens) traz referências cinematográficas e prioriza as luzes frias.

O projeto do grupo, que existe há 16 anos, alia reflexão e experimentação estética. Isto tem relação com a trajetória de Fernando Kinas, que tem Doutorado em Teatro pela Sorbonne Nouvelle e Universidade de São Paulo. Uma longa pesquisa de cerca de oito meses foi desenvolvida para este trabalho, que incluiu viagem à Argentina para investigar processos autoritários na América Latina.

Serviço

Reestréia: 26 de março – quarta-feira – às 21 horas

CIT-Ecum (Centro Internacional de Teatro)

Rua da Consolação, 1623 – Consolação/SP. Tel: (11) 3255 5922 ou 3129 9132

Temporada: quartas e quintas – às 21 horas – Até 17/04

Ingressos: R$ 40,00 (meia: R$ 20,00). Bilheteria: 1h antes das sessões.

Duração: 95 min. Classificação etária: 14 anos. Capacidade: 134 lugares.

Acesso universal. Ar condicionado. Estacionamento conveniado ao lado: R$ 15,00

 

Ficha técnica

Trabalho cênico: Morro Como Um País

Roteiro e direção geral: Fernando Kinas

Interpretação: Fernanda Azevedo

Cenário: Júlio Dojcsar

Figurino: Maitê Chasseraux

Iluminação: Heloísa Passos

Pesquisa e música original: Eduardo Contrera e Fernando Kinas

Pesquisa e tratamento de imagens: Maysa Lepique

Assessoria e treinamento musical: Luciana Fernandes e Armando Tibério

Direção de produção: Luiz Nunes

Assistência de produção: Dani Embón

Programação visual: Camila Lisboa

Realização e produção: Kiwi Companhia de Teatro

%d blogueiros gostam disto: